Potenciais benefícios da melatonina para a memória

Numerosos estudos têm demonstrado os benefícios da suplementação com melatonina para o tratamento de distúrbios do sono, especialmente insônia crônica e de curto prazo [1].

Por outro lado, cresce o número de evidências que apontam para potenciais aplicações terapêuticas relacionadas à memória. Em recente estudo pré-clínico, pesquisadores demonstraram que a melatonina e seus derivados podem influenciar proteínas-chave envolvidas no processo de formação de memórias [2].

A formação de memórias de curto e longo prazo requer modificações em proteínas específicas, em um processo denominado fosforilação. Na atual pesquisa, descobriu-se que a melatonina e seus metabólitos podem influenciar essa fosforilação, gerando efeitos positivos de reforço na memória em modelos animais [2].

O estudo concentrou-se nos efeitos de três compostos nos níveis de fosforilação de proteínas relacionadas à memória: melatonina, ramelteon (medicamento análogo que ativa o receptor de melatonina) e N1-acetil-5-metoxiquinuramina (AMK – metabólito biológico da melatonina). Os experimentos revelaram que a administração dos compostos facilitou a formação de memória de longo prazo em camundongos, evidenciando o potencial dessas substâncias nesse processo [2].

A avaliação da formação de memória de longo prazo baseou-se na tarefa de reconhecimento de objetos. Os camundongos foram introduzidos a objetos familiares, seguido por um teste em que um objeto novo era introduzido. O tempo gasto explorando cada objeto foi registrado, uma métrica significativa de memória de reconhecimento de objetos. Tanto a melatonina quanto o ramelteon e o AMK, administrados na dose de 1 mg/kg, foram eficazes na promoção da formação de memória de longo prazo nos animais [2].

A análise bioquímica aprofundada focou na fosforilação de proteínas-chave no processo de memória, incluindo ERK, CaMKIIα, CaMKIIβ, CaMKIV e CREB. Em regiões cerebrais específicas, como o hipocampo e o córtex perirrinal, os tratamentos utilizados aumentaram significativamente a fosforilação de algumas proteínas, enquanto diminuía em outras [2].

Estes resultados corroboram com uma pesquisa anterior que demonstrou o potencial do metabólito AMK na memória. A melatonina se converte em dois metabólitos específicos no cérebro: N1-acetil-N2-formil-5-metoxiquinuramina (AFMK) e N1-acetil-5-metoxiquinuramina (AMK), e suspeita-se que essas moléculas poderiam desempenhar um papel crucial na promoção da cognição [3].

Para testar essa hipótese, pesquisadores conduziram experimentos com camundongos, administrando-lhes doses de melatonina e seus metabólitos. Os resultados foram notáveis: a memória dos camundongos melhorou significativamente após o tratamento (Figura 1). Os três metabólitos se acumularam na região hipocampal do cérebro, uma área vital para a transformação de experiências em memórias [4].

Figura 1: A administração sistêmica de Melatonina (MEL), AFMK ou AMK 1 hora após treinamento de 1 minuto aumentou a memória de reconhecimento de objeto 24 horas após o treinamento. Adaptado de Iwashita, et al (2021) [3].

A pesquisa também abordou o impacto do envelhecimento na cognição, utilizando camundongos mais velhos em comparação com os mais jovens. Descobriu-se que a exposição a um objeto era suficiente para que camundongos jovens se lembrassem no dia seguinte, enquanto os mais velhos exibiam sinais de declínio cognitivo. No entanto, a administração de AMK em camundongos mais velhos após uma única exposição permitiu que eles se lembrassem dos objetos até 4 dias depois, um resultado promissor [3].

O estudo também evidenciou que a formação da memória de longo prazo dependia da conversão da melatonina em AMK no cérebro. Ao bloquear esse processo, os pesquisadores observaram uma redução na capacidade de melhorar a memória, destacando ainda mais o papel crucial desempenhado pelo metabólito AMK [3].

 

Referências:

[1] Tordjman S, Chokron S, Delorme R, Charrier A, Bellissant E, Jaafari N, Fougerou C. Melatonin: Pharmacology, Functions and Therapeutic Benefits. Curr Neuropharmacol. 2017 Apr;15(3):434-443. doi: 10.2174/1570159X14666161228122115

[2] Sano M, Iwashita H, Suzuki C, Kawaguchi M, Chiba A. Effects of melatonin on phosphorylation of memory-related proteins in the hippocampus and the perirhinal cortex in male mice. Neuroreport. 2023 Jun 7;34(9):457-462. doi: 10.1097/WNR.0000000000001911

[3] Iwashita H, Matsumoto Y, Maruyama Y, Watanabe K, Chiba A, Hattori A. The melatonin metabolite N1-acetyl-5-methoxykynuramine facilitates long-term object memory in young and aging mice. J Pineal Res. 2021 Jan;70(1):e12703. doi: 10.1111/jpi.12703

É consenso científico os diversos benefícios do ômega-3 à saúde humana. O ômega-3 representa um ampla classe de ácidos graxos poli-insaturados, sendo as moléculas mais ativas o DHA (ácido docosahexaenoico) e o EPA (ácido eicosapentaenoico).

Particularmente, a ação antioxidante do DHA tem chamado a atenção por sua contribuição na expressão e atividade de sistemas antioxidantes endógenos, como a superóxido dismutase e a glutationa peroxidase. Nesse contexto, pesquisas têm investido esforços para investigar se o DHA poderia ser utilizado como alternativa para a prevenção do estresse oxidativo em diferentes situações, como durante a prática de exercício físico.

Uma das consequências do exercício aeróbio é o aumento do estresse oxidativo agudo, cuja magnitude é proporcional à intensidade da atividade, duração e ao estado de treinamento do indivíduo. Em recente ensaio clínico, pesquisadores demonstraram que o estresse oxidativo pode ser reduzido após a suplementação com DHA em atletas de ciclismo de resistência.

A pesquisa foi desenvolvida por meio de estudo clínico randomizado e controlado por placebo com homens adultos praticantes de ciclismo regular (quatro horas por semana), os quais receberam um suplemento de DHA reesterificado (rDHA) de alto teor pelo período de quatro semanas, seguindo as seguintes dosagens:

  • Placebo: três cápsulas gelatinosas;
  • rDHA: 350 mg/dia (uma cápsulas);
  • rDHA: 1050 mg/dia (três cápsulas);
  • rDHA: 1750 mg/dia (cinco cápsulas);
  • rDHA: 2450 mg/dia (sete cápsulas).

A capacidade antioxidante endógena do DHA foi quantificada por meio da redução nos níveis do marcador de estresse oxidativo 8-hidroxi-2′-desoxiguanosina (8-OHdG), uma molécula excretada na urina associada ao dano no DNA gerado por radicais livres. Foram coletadas amostras de urina de 24 horas após um treino de 90 minutos de ciclagem de carga constante antes e após a intervenção para a dosagem de 8-OHdG.

De forma pioneira, a pesquisa demonstrou que a suplementação com rDHA exerce efeito antioxidante de maneira dose-dependente, a partir das doses de 1050 mg, conforme demonstrado no gráfico abaixo (excreção urinária de 8-OHdG).

Legenda: Diferença da excreção urinária de 8-OHdG 24 horas antes e após o teste físico, entre os grupos placebo e rDHA (com doses crescentes). Os valores são apresentados como média ± erro padrão (EP). * p < 0,05. Fonte: Adaptado de [1].

De acordo com os resultados apresentados, a suplementação com DHA pode ser considerada após a prática de exercício de intensidade moderada e longa duração como estratégia preventiva para o dano oxidativo gerado pela prática desse tipo de atividade física.

Referências:

[1] de Salazar L, Contreras C, Torregrosa-García A, Luque-Rubia AJ, Ávila-Gandía V, Domingo JC, López-Román FJ. Oxidative Stress in Endurance Cycling Is Reduced Dose-Dependently after One Month of Re-Esterified DHA Supplementation. Antioxidants (Basel). 2020 Nov 18;9(11):1145. doi: 10.3390/antiox9111145.

A gestação é um período crítico para a mãe e, sobretudo, para o bebê que está sendo gerado. Diversos fatores podem influenciar o desenvolvimento da criança nos diferentes estágios da gestação, incluindo o sistema imunológico.

Estudos apontam que a programação do sistema imunológico durante o desenvolvimento fetal pode influenciar diretamente o surgimento de asma após o nascimento e durante a vida adulta. Inclusive, a maioria dos casos de asma é diagnosticada já na primeira infância, evidenciando que, provavelmente, sua origem é fetal ou nos primeiros meses de vida do bebê.

Nesse sentido, crescentes evidências apontam para um protagonismo de um nutriente em específico: a vitamina D3, especialmente quanto à sua deficiência durante a gestação. A vitamina D é um conhecido modulador imunológico, e a deficiência materna desse nutriente durante a gravidez vem sendo implicada no desenvolvimento de doenças na prole.

A desregulação do sistema imune adaptativo é primordial na fisiopatologia da asma. Adicionalmente, segundo estudos in vitro, as células do sistema imune inato e adaptativo possuem receptores para a vitamina D e podem ser reguladas por intermédio dessa interação.

A partir desses dados, pesquisadores buscaram investigar em estudo clínico o efeito sobre a imunidade neonatal da suplementação materna com vitamina D3 durante o segundo e terceiro trimestres da gravidez.

O estudo foi realizado por meio da análise de amostras de sangue do cordão umbilical de neonatos de mães suplementadas com vitamina D3 nas doses de 4400 UI/d ou 400 UI/d. Em seguida, foram analisados parâmetros relacionados quanto à composição de células imunes e secreção de citocinas das amostras dos bebês por diferentes metodologias (citometria de fluxo, PCR, entre outras).

Segundo os principais achados encontrados no ensaio, a suplementação materna com vitamina D3 4400 UI/d resultou em uma resposta aumentada de citocinas pró-inflamatórias de amplo espectro das células mononucleares do sangue do cordão umbilical.

A suplementação foi capaz de aumentar os níveis de várias citocinas pró-inflamatórias (IFN-γ, IL-5, IL-13 e IL-17, entre outras), além da expressão gênica de receptores associados ao sistema imunológico.

Legenda: Efeito da suplementação de vitamina D na gestação sobre as respostas neonatais de citocinas após estimulação de células T. Fonte: adaptado de [1].

Foi encontrado um aumento de mais de quatro vezes na produção de IL-17A em resposta à estimulação policlonal de células T após a suplementação com a dose 4400UI/d. Particularmente, essa citocina desempenha um papel crucial na defesa imune pulmonar contra patógenos e na imunidade neonatal.

Esses são resultados que enfatizam a importância da suplementação materna durante o desenvolvimento fetal. A utilização da vitamina D3 nesse período pode impactar positivamente o desenvolvimento do sistema imune do recém-nascido, contribuindo para a prevenção de doenças respiratórias, como a asma ou outros processos infecciosos no início da vida.

Referências:

[1] Hornsby E, Pfeffer PE, Laranjo N, Cruikshank W, Tuzova M, Litonjua AA, Weiss ST, Carey VJ, O’Connor G, Hawrylowicz C. Vitamin D supplementation during pregnancy: Effect on the neonatal immune system in a randomized controlled trial. J Allergy Clin Immunol. 2018 Jan;141(1):269-278.e1. doi: 10.1016/j.jaci.2017.02.039

Essencial para diferentes processos, como a saúde óssea, a vitamina D é um nutriente lipossolúvel capaz de interferir em diferentes processos fisiológicos. Sabe-se que a sua principal fonte é a partir da exposição solar, porém há uma grande parcela de pessoas com deficiência dessa vitamina ao redor do mundo.

Mas você sabe como a deficiência desse nutriente é capaz de impactar nos mecanismos fisiológicos de seu paciente? Contamos mais sobre isso no nosso novo blog!

Deficiência de vitamina D e o organismo humano

Estima-se que mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo tenha níveis insuficientes de vitamina D, especialmente em países com menos exposição solare dietas pobres em alimentos que contêm vitamina D. A deficiência de vitamina D pode ter um impacto significativo no organismo e está associada a uma variedade de condições médicas, como:

Impacto na saúde óssea

Para uma saúde óssea boa é muito importante manter os níveis de cálcio e fósforo adequados no organismo, e, nesse sentido, a vitamina D se faz essencial. Estudos apontam que a sua deficiência leva a uma diminuição da absorção de cálcio e fósforo, resultando em ossos fracos e sujeitos a fraturas (AMREIN et al., 2020; MARTINIS et al., 2021).

Além disso, para o público idoso, a sua suplementação é capaz de otimizar a densidade óssea e reduzir o risco de fraturas causadas pela osteoporose em pacientes diagnosticados com ela (REID; BOLLAND, 2020).

Impacto no sistema imunológico

A vitamina D desempenha um papel importante na regulação do sistema imunológico, ajudando a prevenir a inflamação crônica e a manter a função imunológica adequada. Sendo assim, a sua deficiência tem sido associada ao aumento de infecções respiratórias, como gripes, resfriados e até mesmo doenças autoimunes (AO et al., 2021).

Piora dos sintomas psicológicos

Durante a pandemia causada pela Covid-19, houve um aumento no diagnóstico de quadros de depressão e ansiedade. De acordo com um estudo (MENON et al., 2020), a deficiência de vitamina D é capaz de aumentar a incidência de depressão em pacientes saudáveis.

Vitamina D3 Ydrosolv®

Pensando na suplementação de alta qualidade, a Yosen desenvolveu a Vitamina D3 Ydrosolv® , um suplemento formulado através da nanotecnologia que garante máxima biodisponibilidade, absorção e personalização da dosagem de seu paciente.

É o suplemento ideal para seu paciente que sofre com a deficiência dessa vitamina. Para saber mais sobre os seus benefícios e diferenciais, acesse o nosso site.

REFERÊNCIAS

AMREIN, Karin et al. Vitamin D deficiency 2.0: an update on the current status worldwide. European Journal Of Clinical Nutrition, [S.L.], v. 74, n. 11, p. 1498-1513, 20 jan. 2020. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1038/s41430-020-0558-y. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7091696/

MARTINIS, Massimo de et al. Vitamin D Deficiency, Osteoporosis and Effect on Autoimmune Diseases and Hematopoiesis: a review. International Journal Of Molecular Sciences, [S.L.], v. 22, n. 16, p. 8855, 17 ago. 2021. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/ijms22168855. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8396272/.

REID, Ian R; BOLLAND, Mark J. Calcium and/or Vitamin D Supplementation for the Prevention of Fragility Fractures: who needs it?. Nutrients, [S.L.], v. 12, n. 4, p. 1011, 7 abr. 2020. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/nu12041011. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7231370/.

AO, Tomoka et al. The Effects of Vitamin D on Immune System and Inflammatory Diseases. Biomolecules, [S.L.], v. 11, n. 11, p. 1624, 3 nov. 2021. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/biom11111624. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/34827621/.

MENON, Vikas et al. Vitamin D and Depression: a critical appraisal of the evidence and future directions. Indian Journal Of Psychological Medicine, [S.L.], v. 42, n. 1, p. 11-21, jan. 2020. SAGE Publications. http://dx.doi.org/10.4103/ijpsym.ijpsym_160_19. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6970300/#:~:text=All%20the%20studies%20found%20that,CI%5D%201.00%E2%80%931.71).

Para a manutenção do bem-estar e o funcionamento saudável do sistema imunológico, é importante manter uma alimentação equilibrada, rica em nutrientes e a prática diária de atividade física. Entretanto, dependendo da intensidade, duração e volume dos exercícios, estes podem causar um efeito reverso no organismo.

De acordo com diversos estudos, a prática de exercícios de alta intensidade está diretamente associada à maior ocorrência de danos musculares, tendo em vista de que eles são capazes de aumentar a produção radicais livres, metabólitos que, em excesso, podem de causar imunossupressão no esportista, deixando-o suscetível ao desenvolvimento de infecções e lesões.

A fim de amenizar os danos causados pelo estresse oxidativo, estudos apontam os benefícios do consumo e suplementação de nutrientes com potente ação antioxidante, como a coenzima Q10.

Coenzima Q10: seu impacto na atividade física

A Coenzima Q10 é uma enzima produzida pelo nosso organismo, com potente ação antioxidante e anti-inflamatória, ela é capaz de agir diretamente contra o aumento de radicais livres. Com o passar do tempo e a influência da idade e hábitos de vida, há uma queda em sua produção, tornando-se essencial o aumento de alimentos fonte do nutriente e sua suplementação.

Um fator que deve ser levado em consideração é que esportistas tendem a desenvolver a deficiência dessa enzima, assim como sugerem Ho et al., em um estudo transversal realizado com 43 atletas para avaliação de glicose, estresse oxidativo, atividade de enzimas antioxidantes. De acordo com um estudo (BROOME, 2021), a suplementação de CoQ10 para o esportista vai além da proteção dos danos, geralmente, causados durante a prática do exercício. Por possuir um papel importante para a energia mitocondrial, a sua suplementação é apontada como uma estratégia com alto potencial para a melhoria do desempenho esportivo e, consequentemente, gera melhores resultados.

A Coenzima Q10 da Yosen é um suplemento desenvolvido por uma tecnologia exclusiva YDROSOLV® , que, através da nanoemulsão, possibilita a máxima absorção, biodisponibilidade e personalização da dosagem de seu paciente. Sua potente ação antioxidante e anti-inflamatória é capaz de proteger o sistema musculoesquelético contra os danos causados pelo aumento de radicais livres liberados na atividade física. Para saber mais sobre os seus benefícios e diferenciais, acesse o nosso site.

REFERÊNCIAS

SILVA, J. dos S. et al. Importance of supplementation with coenzyme Q10 in combating free radicals obtained in high intensity physical activity: a literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 15, p. e453101523056, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i15.23056. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/23056.

BROOME, S. C. et al. Mitochndria-targeted antioxidant supplementation improves 8 km time trial performance in middle-aged trained male cyclists. J Int Soc Sports Nutr, [S.I], p. 1-11, 21 ago. 2021. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/34419082/.

HO, Chien-Chang et al. Coenzyme Q10 status, glucose parameters, and antioxidative capacity in college athletes. Journal Of The International Society Of Sports Nutrition, [S.I], p. 1-8, 10 jan. 2020. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31924223/.

Obesidade no Brasil

A obesidade é uma doença crônica caracterizada pelo excesso de gordura corporal e que pode ser classificada em três tipos, de acordo com o índice de massa corporal (IMC). Ela influencia negativamente no surgimento de outras doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes e hipertensão. De acordo com o Mapa da Obesidade, disponível no site da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO), estima-se que até 2025 mais de 700 milhões de pessoas ao redor do mundo desenvolverão o quadro de obesidade.

Mas, quando se analisa o cenário brasileiro, não é possível observar mudanças positivas. Segundo uma pesquisa realizada pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), em 2019, o aumento da obesidade foi de 11,8% para 20,3%. O tratamento para a doença, muitas vezes, acontece a partir da reeducação alimentar e do acompanhamento com uma equipe transdisciplinar, entretanto, existem casos em que há a indicação de cirurgias para o auxílio da perda de peso.

Cirurgia bariátrica para o emagrecimento

A cirurgia bariátrica é um dos procedimentos indicados para o tratamento da obesidade e das doenças associadas a ela, a partir da redução do estômago. Para a sua indicação, deve-se levar em consideração alguns fatores, como:

– Índice corporal (IMC) ≥ 40 kg/m² sem comorbidades;

– IMC de 35 a 39,9 kg/m², com pelo menos uma comorbidade grave, como, por exemplo, diabetes tipo 2, síndrome de hipoventilação; qualidade de vida prejudicada; doença hepática gordurosa não alcoólica; hipertensão; hiperlipidemia.

Por mais que a cirurgia bariátrica, desde que feita com um acompanhamento transdisciplinar, seja uma alternativa para os pacientes, é necessário ressaltar a importância do acompanhamento pós-cirúrgico para a reeducação alimentar associada à suplementação de nutrientes, tendo em vista que a redução do estômago interfere de maneira negativa na absorção deles, resultando em deficiências nutricionais.2

Suplementação de Coenzima Q10 e sua importância

A Coenzima Q10 (CoQ10) é uma enzima lipossolúvel, produzida de forma endógena e com alta concentração nos tecidos com muita necessidade energética e metabólica, como o fígado. Diversos estudos comprovam a sua eficácia antioxidante e anti-inflamatória para a redução de danos causados pelo estresse oxidativo e inflamação crônica, além da potencialização da síntese de energia.5

Por ter uma potente ação anti-inflamatória e antioxidante, sua suplementação no pós-operatório é capaz de reduzir significativamente os níveis de marcadores inflamatórios e na melhora da recuperação.3

Coenzima Q10 Yosen

A Coenzima Q10 da Yosen é um suplemento desenvolvido por uma tecnologia exclusiva YDROSOLV® de nanoemulsão e com a matéria-prima mais pura do mercado, fabricada, nos Estados Unidos, pela Kaneka®. Entre seus diversos benefícios estão a alta absorção e a biodisponibilidade, sendo a suplementação ideal e recomendada para pacientes pós-bariátricos, além de auxiliar na diminuição de níveis de colesterol e melhora da função endotelial. Para conhecer mais, acesse o nosso site!

REFERÊNCIAS

1. HASAN, N. A. et al. Efeito da cirurgia bariátrica na perda de peso, deficiências nutricionais, complicações pós-operatórias e adesão às recomendações dietéticas e de estilo de vida: um estudo de coorte retrospectivo do Bahrein. Sultan Qaboos University Medical Journal, v. 20, n. 3, p. e344-e351, 2020. doi: 10.18295/squmj.2020.20.03.015.

2. VIA, M, A.; MECHANICK, J. I. Nutritional and Micronutrient Care of Bariatric Surgery Patients: Current Evidence Update. Curr Obes Rep. v. 6, n. 3, p. 286-296, set. 2017. doi: 10.1007/s13679-017-0271-x. PMID: 28718091.

3. ZHAI, J. et al. Efeitos da coenzima Q10 em marcadores de inflamação: uma revisão sistemática e meta-análise. PLoS ONE , 2017

4. COENZIMA Q10: Aplicações clínicas. BWS Journal, v. 3, p. e201100129, 1-7 nov. 2020.

5. ABDALI, D.; SAMSON, S. E.; GROVER, A. K. How Effective Are Antioxidant Supplements in Obesity and Diabetes? 1-15, 14 mar. 2015. DOI DOI: 10.1159/000375305. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5588240/. Acesso em: 30 de Novembro de 2021

6. TAYLOR, V. H. et al. The impact of obesity on quality of life. Best Practice & Research Clinical Endocrinology & Metabolism, 10 maio 2013. DOI 10.1016/j.beem.2013.04.004. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1521690X13000365?via%3Dihub.

7. BORDALO, L. A. et al. Cirurgia bariátrica: como e por que suplementar. Revista da Associação Médica Brasileira [online], v. 57, n. 1, p. 113-120, 2011 . Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0104-42302011000100025>. Acesso em: 10 dez. 2021. Epub 25 Fev 2011. ISSN 1806-9282. https://doi.org/10.1590/S0104-42302011000100025.

8. BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico : estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019 [recurso eletrônico] – Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

Coenzima Q10 e a saúde da pele

O envelhecimento da pele, com o decorrer do tempo, pode acontecer por meio de fatores genéticos e exógenos, como a alta exposição aos raios ultravioletas e à luz azul artificial – aquela que é emitida por eletrônicos. Além disso, uma alimentação rica em produtos ultraprocessados e o sedentarismo são fatores capazes de potencializar os efeitos maléficos que o estresse oxidativo causa no organismo, por isso, a diversidade de alimentos ricos em nutrientes, associada com a suplementação de componentes ativos, principalmente aqueles com alto poder antioxidante como a coenzima Q10, é essencial para a saúde da pele.

COENZIMA Q10

Conhecida também como ubiquinona (em sua forma oxidada), ubiquinol (em sua forma reduzida) ou CoQ10, a Coenzima Q10 é uma enzima antioxidante lipossolúvel sintetizada de maneira endógena, ou seja, natural, e com alta concentração nos tecidos do coração, fígado, cérebro e musculoesquelético. Outra maneira de obtê-la é por meio da alimentação, a partir alimentos de origem animal (como ovos, leite e derivados e carnes), de origem vegetal (frutas e vegetais) ou na forma de um suplemento alimentar, contribuindo para a melhor concentração da enzima no organismo 6,10. Entre suas diversas indicações está o aumento de produção de energia a fim de diminuir fadiga crônica, a redução de miocardiopatia em pacientes que fazem uso de estatinas, a melhora do desempenho esportivo e até mesmo o tratamento suplementar contra acne.

SUPLEMENTAÇÃO DA COENZIMA Q10 E A SAÚDE DA PELE

A CoQ10 é produzida de maneira endógena, porém sua produção é reduzida significativamente com o envelhecimento, muitas vezes associada a fatores de estresse que agem negativamente na saúde da pele.2 Devido aos seus compostos antioxidantes, a coenzima Q10 é capaz de atuar de maneira positiva contra o estresse oxidativo. Diversos estudos apontam um efeito protetor da CoQ10 contra a apoptose celular, por meio do aumento de fibroblastos e da produção de componentes presentes na membrana basal. Também possui eficácia comprovada no tratamento de problemas dermatológicos (como acne, alopecia e envelhecimento precoce) 1,5, 7, 8, 9, 12. Dessa maneira, é possível concluir a importância que a sua suplementação possui para a saúde da pele, ajudando na proteção contra os danos causados pelos diversos fatores exógenos. Por ser uma molécula relativamente grande, quando utilizada na produção de cosméticos de uso tópico, sua absorção e permeação pela pele é dificultada, sendo necessária a utilização de agentes carreadores, para que ela atinja todas as camadas da pele.3

COENZIMA Q10 YDROSOLV®

A Coenzima Q10 da Yosen é um suplemento desenvolvido por uma tecnologia exclusiva YDROSOLV® com a matéria-prima mais pura do mercado, fabricada, nos Estados Unidos, pela Kaneka®. Entre seus diferenciais está a alta absorção e biodisponibilidade, a personalização das doses e o seu formato em gotas, além de possuir efeito anti-inflamatório, que auxilia no processo contra o envelhecimento da pele e na longevidade saudável. Para conhecer mais, acesse o nosso site.

REFERÊNCIAS

1. SANTANA, J.; SCATOLIN, D. A importância da nanotecnologia e do uso da coenzima Q10 em tratamentos antienvelhecimento. Medicina e Saúde, Rio Claro. v. 2, n. 2, p. 77-95, jan./jun. 2019

2. KNOTT, A. et al. Topical treatment with coenzyme Q10-containing formulas improves skin’s Q10 level and provides antioxidative effects. Biofactors. v. 41, n, 6, p. 383-90, nov./dez. 2015.

3. FRIES, A. T.; FRASSON, A. P. Z. Avaliação da atividade antioxidante de cosméticos anti-idade. Revista Contexto Saúde, v. 10, n. 19, p. 17-23, jul./dez. 2010

4. ALVES, N. C. Penetração de ativos na pele. Revista Amazônia Science & Health, Gurupi, v. 3, n. 4, p. 36-43, out./dez. 2015.

5. TAKADA, K. M. et al. Coenzyme Q10 protects against oxidative stress-induced cell death and enhances the synthesis of basement membrane components in dermal and epidermal cells. Bio Factors, v. 35, n. 5, p. 435-441, set./out. 2009.

6. JACOBS, M; ACCURSIO, W. Coenzima Q10: Aplicações clínicas. BWS Journal. p. 1-7, 3 nov. 2020, e201100129.

7. AKBARI, Abolfazl et al. Coenzyme Q10 supplementation and oxidative stress parameters: a systematic review and meta-analysis of clinical trials. European Journal of Clinical Pharmacology, [S. l.], p. 1-17, 25 jun. 2020. DOI 10.1007/s00228-020-02919-8. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32583356/.

8. MARCHEGGIANI, Fabio et al. Anti-ageing effects of ubiquinone and ubiquinol in a senescence model of human dermal fibroblasts. Free Radic Biol Med., [S. l.], p. 1-7, 19 jan. 2021. DOI 10.1016/j.freeradbiomed.2021.01.032. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33482334/.

9. EL-ZAAFARANY, Ghada M.; ABDEL-AZIZ, Rasha T. A.; MONTASER, Mahmoud Hamdy AHMED; NASR, Maha. Coenzyme Q10 phospholipidic vesicular formulations for treatment of androgenic alopecia: ex vivo permeation and clinical appraisal. Expert. Opin. Drug Deliv., [S. l.], p. 1-10, 7 jun. 2021. DOI 10.1080/17425247.2021.1936497. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/34047661/.

10. HUGHES, Maria Celia B.; WILLIAMS, Gail M.; PAGEON, Hervé; FOURTANIER, Anny; GREEN, Adèle C. Dietary Antioxidant Capacity and Skin Photoaging: A 15-Year Longitudinal Study. J. Invest Dermatol., [S. l.], p. 1-10, 16 jul. 2020. DOI 10.1080/17425247.2021.1936497. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/34047661/.

11. KRUTMANN, J.; BERNEBURG, M. Sun-damaged skin (photoaging): what is new?. Hautarzt, [S. l.], p. 1-4, 21 dez. 2020. DOI 10.1007/s00105-020-04747-4. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33346860/.

12. ADRIANA, C.; BUDIASTUTI, A.; KABULRACHMAN, K.; WIDAYATI, R. I.; RIYANTO, P.; MUSLIMIN, M. Coenzyme Q10 Supplementation as an Adjuvant Therapy Potentially Increase Serum Superoxide Dismutase Levels in Acne Vulgaris Patients. Open Access Macedonian Journal of Medical Sciences, [S. l.], v. 9, n. B, p. 444–450, 2021. DOI: 10.3889/oamjms.2021.6048. Disponível em: https://oamjms.eu/index.php/mjms/article/view/6048.

O avanço da indústria de suplementos

A suplementação nutricional é uma estratégia complementar à alimentação, cada vez mais comum na rotina das pessoas, que estão buscando mais qualidade de vida e métodos de potencializar resultados, sejam eles clínicos, esportivos ou estéticos. Diante disso, novas tecnologias vêm sendo empregadas na indústria, a fim de oferecer as melhores matérias-primas do mercado, com maior eficácia e biodisponibilidade dos nutrientes.

DHA: por que suplementar?

O DHA é o ácido graxo poli-insaturado mais conhecido, considerado essencial para os seres humanos, uma vez que não é possível sintetizá-lo de forma endógena. Possui 22 carbonos e 6 duplas ligações, tornando-o  fluído e flexível. Junto ao EPA, ele pertence à família do ômega-3. Atualmente, é fácil encontrar suplementos formulados com o ômega-3, oferecendo quantidades semelhantes das duas frações (EPA e DHA), mas também do DHA isolado. Contudo, a escolha da melhor forma desse suplemento deve levar em consideração alguns atributos.

Como escolher um DHA de qualidade diferenciada? Veja 6 atributos:

1.Absorção e biodisponibilidade

A eficácia de um nutriente depende do quanto ele é absorvido a nível intestinal para desempenhar as suas funções adequadamente. Com o avanço de tecnologias industriais e baseando-se em inúmeras pesquisas, a Yosen licenciou o DHA de alta concentração da Brudy Lab Espanha, empresa que em conjunto com a Universidade de Barcelona, desenvolveu o processo de síntese do DHA, usando como referência a biologia materna, que coloca o DHA na posição central da molécula de glicerol em 50%, em busca de facilitar sua absorção digestiva e a biodisponibilidade desse ácido graxo no sangue, uma vez que ele mimetiza o nutriente presente naturalmente no leite materno. A partir dos triglicerídeos do óleo de peixe, realizou-se a eliminação de todos os ácidos graxos presentes que não eram o DHA e, posteriormente, a reversão da molécula de glicerol. Como não se encontram outros ácidos graxos concorrentes, esse método resultou em um triglicerídeo que garante a presença do DHA na posição central, potencializando significativamente sua absorção e bioatividade.

2.Concentração por cápsula

Ao considerar um suplemento de ômega-3 eficiente, é preciso avaliar a concentração dos ácidos graxos presentes nas cápsulas. Recomenda-se a escolha daqueles que contenham no mínimo 400mg de ômega-3 (EPA e DHA) em cápsulas de 500mg do óleo de peixe.

3.Bioatividade respaldada pela ciência

Por meio de análises de estudos em culturas de células humanas, é possível confirmar que a maior presença de DHA nas membranas celulares provoca uma regulação das enzimas responsáveis pela síntese de glutationa no citoplasma, processo que aumenta sua concentração em 200 a 300% acima do habitual. A glutationa é o antioxidante mais importante do organismo que atua na modulação da homeostase intracelular, mediada pelas mitocôndrias. Assim, a suplementação de DHA com esse diferencial de estar na posição central do glicerol, é eficiente para otimizar a síntese desse antioxidante.

4.Associação com vitaminas e minerais

A combinação de DHA com vitaminas e minerais é uma inovação no mercado, como forma de oferecer um suplemento com maior capacidade em estimular a síntese da glutationa endógena, por oferecer cofatores nutricionais. Assim, escolher um produto contendo esse diferencial é uma estratégia promissora.

5.Ausência de corantes artificiais e dióxido de titânio

Atualmente, muito se fala na importância da escolha de suplementos clean label e isentos de componentes artificiais. No caso do DHA, essa recomendação se potencializa, uma vez que é um produto de consumo diário com objetivos de promover qualidade de vida, vitalidade e suporte clínico em longo prazo.

6.Sem retrogosto e metais pesados

A absorção plena do triglicerídeo de DHA, cuja posição mimetiza o leite materno com maior biotividade, garante a ausência do retrogosto comum do óleo de peixe. Por meio de laudos de certificações, ao escolher um suplemento de DHA, certifique-se da ausência de metais pesados e do tipo de tecnologia empregada na sua produção e envasamento.

DHAOX® da Yosen é um suplemento de ômega-3 rico em triglicerídeo de DHA, licenciado da Brudy Lab da Universidade de Barcelona, cujos maiores diferenciais são sua patente e os mais de 25 estudos clínicos publicados com a própria formulação. Ele traz o DHA na posição central do glicerol, com 350mg do nutriente por cápsula, isento de corantes artificiais e dióxido de titânio. Além disso, é livre de metais pesados e possui certificações. O produto apresenta laudos garantindo ausência de metais pesados e demais pesticidas, além de sua produção não afetar a população de peixes do planeta (Friends of the Sea).

 

REFERÊNCIAS

BOGDANOV P, et al; Docosahexaenoic acid improves endogen antioxidant defence in ARPE-19 cells; ARVO Congress 2008, Poster5932/A306, Thursday, May 01, 2008.CONTRERAS, Carlos J; Modificación del daño oxidativo en un grupo de ciclistas tras consumir ácido docosahexaenoico a distintas dosis; Tesis Doctoral, Universidad Católica de Murcia, 2014.

GATELL-TORTAJADA, Jordi. et al; Oral supplementation with a nutraceutical formulation containing omega-3 fatty acids, vitamins, minerals, and antioxidants in a large series of patients with dry eye symptoms: results of a prospective study; Clin Int Aging 2016; 11:571-578

LAFUENTE, Maria. et al; Combined intravitreal ranibizumab and oral supplementation with docosahexaenoic acid (DHA) and antioxidants for Diabetic Macular Edema: 2-year randomized single-blind controlled trial results; published in RETINA 2017, 37:1286-2017.

LINDA M Arterburn, et al. Distribution, interconversion, and dose response of ω-3 fatty acids in humans; Am J Clin Nutr 2006;83(suppl):1467S-76S.

PERE DOMINGO, et al; Effects of docosahexanoic acid on metabolic and fat parameters in HIV-infected patients on cART: A randomized, double-blind, placebo-controlled study; Clinical Nutrition 2017; Jun 8. pii: S0261-5614(17) 30214-5.

Startup brasileira especializada no desenvolvimento de sistemas de liberação de ativos por meio da nanotecnologia para fabricação de suplementos alimentares inovadores, a Yosen reforça o seu compromisso com a promoção da saúde e ciência, incentivando a difusão da medicina personalizada e estilo de vida no Brasil. A marca é uma das expositoras oficiais do ILPM Summit 2021, a 2ª edição do congresso coordenado pela médica precursora do personalized & lifestyle medicine no país, Dra. Vania Assaly, e pelo pesquisador e nutricionista português Dr. Pedro Bastos.

O evento online será realizado entre os dias 25, 26 e 27 de novembro, com transmissão ao vivo, direto do estúdio E4, em São Paulo, para todo o país. Com uma programação científica exclusiva voltada para o aprimoramento da prática clínica dos profissionais de saúde a partir da visão integrativa do atendimento ao paciente, o ILPM Summit viabilizará a troca de experiências e conhecimentos em 9 módulos com 19 palestras ministradas por profissionais renomados no Brasil, EUA e Europa.

Palestrantes internacionais

 

Dr. Alessio Fasano é um dos destaques da programação científica do ILPM Summit 2021

Entre os palestrantes convidados está o descobridor da zonulina, o médico e pesquisador italiano Dr. Alessio Fasano. Conhecido como ”o pai da permeabilidade intestinal”, Dr. Alessio é fundador do Centro de Pesquisa Celíaca na Universidade de Maryland School of Medicine e professor de pediatria na Harvard Medical School. A 2ª edição do ILPM Summit também terá a participação de outras referências no mundo científico, como a pesquisadora e Ph.D. em Ciências Médicas, a nutricionista americana Dra. Deanna Minich e o médico dermatologista alemão Dr. Bodo Melnik.

Em 2021, o congresso conta ainda com o apoio de grandes instituições de saúde internacionais. Entre elas, a American Nutrition Association (ANA), órgão americano com mais de 60 anos de atuação na defesa da ciência e da prática da nutrição personalizada, e a Associação Latino-Americana de Medicina de Estilo de Vida (LALMA), instituição que representa médicos e profissionais de saúde nos países da América Latina e Caribe dedicados ao avanço e prática da Medicina do Estilo de Vida.

A medicina personalizada vem se tornando cada vez mais popular na América Latina devido à sua abordagem inovadora para a gestão da saúde e o atendimento clínico. De acordo com relatório publicado no The Economist Intelligence Unit, no final do ano passado, o Brasil está entre os países que mais avança na consolidação de políticas que visam à personalização de tratamentos e diagnósticos no mundo.

Saiba mais sobre a 2ª Edição do ILPM Summit: https://www.ilpmsummit.com/

12
× Como posso te ajudar?